Dicas de Saúde

Calvície tem tratamento

Imagine perder uma das partes do corpo mais importantes para uma mulher: o cabelo. Quase um terço da população mundial, ou dois bilhões de pessoas, têm problemas relacionados à calvície. Entretanto, os números alarmantes não são motivos de preocupação, já que estão disponíveis diversos tratamentos para prevenir, reverter e evitar a calvície. “A partir dos 30 anos de idade a calvície atinge 25% dos homens, alcançando 50% deles a partir dos 50 anos. Enquanto que as mulheres são afetadas principalmente quando acima dos 60 anos de idade”, revela o cirurgião plástico Roberto Vieira. A perda total ou parcial dos cabelos tem causa multifatorial e pode estar relacionada à genética do indivíduo. “O homem geralmente possui a androgenética como principal causa da calvície”, diz Vieira. Já o gênero feminino tem uma maior variedade de causas, como as emocionais, nutricionais, uso de medicamentos e produtos capilares. “Todas levam a alteração do ciclo biológico do cabelo na duração das suas fases. Transformam os cabelos em finos, pequenos e fracos. E, posteriormente, levam a sua queda”, completa. Vaidade feminina A tecnologia na indústria de cosméticos avança a cada dia, mas ainda assim os tratamentos químicos que grande parte das mulheres realizam nos cabelos são fatores que levam a perda de cabelo. De acordo com o especialista, as agressões sofridas pelo fios resultam na queda. ” A microscopia mostrou que vários produtos químicos, o calor e a tração agridem o fio capilar e quando utilizados em intervalos curtos de tempo resultam em sua morte celular”, completa. Para ele, os mais nocivos são os que trazem o formol acima da concentração recomendada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e as “chapinhas” quentes. O ser humano normal possui entre 100 mil a 150mil fios de cabelo. E, todos os dias, caem de 50 a 100 fios naturalmente. “Todavia, o mais importante é saber se a porcentagem de queda capilar está normal para aquela faixa etária”, afirma o médico. Microtransplante Quem está preocupado com a perda de cabelos deve procurar ajuda especializada, para que seja avaliada qual a causa do problema. Os medicamentos orais que bloqueiam a enzima 5-alfa-redutase tipo II (vilã da calvície); loções que atuam nos canais de potássio das celulas do cabelo e lasers que melhoram a vasodilatação do bulbo capilar são alguns dos tratamentos. “Todos atuando para melhorar o ciclo vital do cabelo. E o transplante capilar sendo indicado para os indivíduos que perderam e não podem mais recuperar os cabelos”, esclarece. A cirurgia do microtransplante capilar é uma realidade para a pessoa calva, que não possui o bulbo capilar. No procedimento, os folículos saudáveis são transplantados da nuca do paciente, através do uso de microscópios e lupas de aumento, para as áreas da calvície. “Desta forma, o cabelo transplantado passa a nascer, crescer e se renovar como um fio normal. Por isso, a técnica pode ser utilizada também para reconstruir sobrancelhas e cílios das pálpebras”, acrescenta o médico. Outros cuidados, como lavar os cabelos todos os dias com xampu sem sal e pH neutro, tratar a calvície, evitar o uso de anabolizantes, drogas, fumo e álcool também ajudam a prevenir a queda dos fios. Dr. Roberto Vieira Cirurgião Plástico CRM 4331 RQE 2579

...

Por
Roberto Bezerra Vieira
Médico

Hipotireoidismo

Diversas patologias podem acometer a tireóide, dentre elas, cistos, nódulos e os distúrbios hormonais. Dentre as disfunções hormonais, o hipotireoidismo é o mais comum, ele é caracterizado pela diminuição da produção dos hormônios T3 e T4 e pode ter causas diversas. Acomete, principalmente, idosos, mulheres, pessoas com histórico familiar de doenças tireoidianas e até indivíduos que usam determinados medicamentos que podem interferir no bom funcionamento da glândula (remédios para arritmia, por exemplo). Os sintomas relacionam-se a alterações no metabolismo, porém podem ser muito inespecíficos e retardar o diagnóstico; por exemplo, pele seca, sonolência, indisposição, fadiga, déficit de memória, intestino preso, queda de cabelo e unhas fracas. Dentre as causas do Hipotireoidismo, a principal é a chamada Tireoidite de Hashimoto, uma doença autoimune, caracterizada pela produção de auto-anticorpos, células de defesa produzidas pelo próprio corpo, que por um defeito, passam a agredir a glândula tireodiana a ponto de não permitir a produção suficiente dos hormônios T3 e T4. O hipotireoidismo não tem cura, porém há tratamento, ele é medicamentoso e bem simples. Caso você sinta algum desses sintomas, procure um endocrinologista e solicite a investigação de alterações na sua tireoide. Os exames laboratoriais são simples e podem ser realizados em uma coleta de sangue. São eles: TSH, T4 livre, T3, Anti-Tireoperoxidase, Anti-Tireoglobulina. Dr. Victor Hugo V. Barroso Médico Endocrinologista CRM-AM 6750

...

Por
Victor Hugo Vieira Barroso
Médico